Uma notícia sobre a violação de uma jovem por soldados do governo, publicada na Somália, teve um desfecho inesperado.com base no artigo, as autoridades prenderam a vítima e o jornalista que acompanhava o caso
Uma notícia sobre a violação de uma jovem por soldados do governo, publicada na Somália, teve um desfecho inesperado.com base no artigo, as autoridades prenderam a vítima e o jornalista que acompanhava o casoLaila ali, jornalista de origem britânica a trabalhar na Somália, esperava chamar a atenção para o terrível problema da violação de mulheres no país, quando escreveu um artigo a contar a história de uma jovem abusada por soldados do governo. Mas em vez disso, as autoridades usaram a sua notícia para prender a vítima e um outro jornalista que acompanhava a história, alegando que ambos estavam a insultar o Estado. Em desespero, Laila está a pedir à comunidade internacional que pressione o governo somali para libertar os detidos e reformar a lei para garantir mais proteção às mulheres. a violação já é uma coisa horrível, mas quando os violadores são as próprias autoridades a quem se poderia pedir ajuda, é a pior das sensações de impotência. É por isso que iniciei uma petição global no site da avaaz, porque o governo da Somália depende fortemente do financiamento de outros governos, e a comunidade internacional pode pressioná-los a interromper esse financiamento e trazer reformas reais para acabar com a epidemia da violação conduzida por forças de segurança, justifica a jornalista. Segundo Laila, a mulher que serviu de fonte para a sua notícia, foi acusada de inventar a sua violação por funcionários do governo antes mesmo de ter sido levada a julgamento. Em seguida, o juiz recusou a ouvir testemunhas ou aceitar provas médicas comprovando que ela havia sido abusada. E ela não está sozinha: entrevistei muitas mulheres aqui que vivem em constante medo de levar um tiro ou serem violadas, muitas vezes pelas próprias pessoas que deviam protegê-las, adiantou a redatora.