a ONU e os seus parceiros pediram à comunidade internacional que dê prioridade no acesso à água e ao saneamento às populações vulneráveis depois de 2015, o que ajudará no combate da desigualdade e a promover os direitos humanos e a sustentabilidade
a ONU e os seus parceiros pediram à comunidade internacional que dê prioridade no acesso à água e ao saneamento às populações vulneráveis depois de 2015, o que ajudará no combate da desigualdade e a promover os direitos humanos e a sustentabilidade a agenda de desenvolvimento a estabelecer para depois de 2015, ano em que se fecham as metas dos Objetivos de Desenvolvimento do Milénio (ODM), deve enfatizar a prioridade e a garantia no acesso à água e ao saneamento às populações vulneráveis. O futuro da agenda de desenvolvimento deve visar enfrentar o mais persistente de todos os desafios: as desigualdades no acesso a serviços essenciais para concretizar os direitos das pessoas, sublinharam a uma só voz a UNICEF, a Entidade das Nações Unidas para a Igualdade de Género e o Empoderamento das Mulheres (ONU-Mulher), o relator especial para o direito humano de acesso à água potável e ao saneamento, o Governo da Finlândia e a organização Water aid, num comunicado conjunto. Entre estes serviços essenciais, deve nomeadamente garantir-se que qualquer pessoa terá igualdade de acesso à água, ao saneamento e à higiene. Uma especial atenção deve ser dada às mulheres e raparigas, que são desproporcionalmente afetadas pela falta desses serviços. O grupo afirmou que os países devem retirar as ilações apreendidas com as metas conhecidas por ODM, que deverão ser alcançadas até 2015. Estes oito ODM fixaram metas específicas para a redução da pobreza, a educação, a igualdade de género, a saúde infantil e materna, a estabilidade ambiental, a redução do VIH/sida e uma parceria global para o Desenvolvimento.