ao longo da caminhada quaresmal, o melhor jejum e penitência é ajudar quem precisa, defende antónio Sousa Braga, bispo de angra
ao longo da caminhada quaresmal, o melhor jejum e penitência é ajudar quem precisa, defende antónio Sousa Braga, bispo de angraNuma altura em que os pedidos de ajuda estão a aumentar na Cáritas, o melhor jejum e penitência que o cristão pode fazer na Quaresma é socorrer o próximo, mas o apoio não se pode ficar por aí, alerta antónio Sousa Braga, bispo de angra, na sua mensagem para a Quaresma. a ação social da Igreja não se reduz a mera assistência, antes implica uma cidadania ativa’ ao serviço do desenvolvimento integral do homem todo e de todo o homem, sublinha.
O prelado pede aos fiéis para que ao longo da caminhada quaresmal renunciem a algo não só supérfluo, mas também necessário de forma a ajudar quem mais precisa. Este momento difícil de crise, que estamos a viver, interpela a nossa consciência cristã, no sentido de reforçar a partilha de bens, refere o bispo.
aludindo à Semana Nacional da Cáritas, que vai decorrer em Portugal de 24 de fevereiro a 3 março, com o lema Fé comprometida, cidadania ativa, antónio Sousa Braga diz que esta é uma ocasião para os cristãos apoiarem materialmente as iniciativas da Cáritas diocesana e nacional, que se revelam tão necessárias, na situação de crise que atinge os cidadãos.
Segundo o bispo de angra, existe o desejo de encerrar o ano da Fé, tendo a funcionar, em cada zona pastoral, um grupo organizado de pastoral social, que pode ser da Cáritas, Conferência Vicentina, ou Fraterna ajuda Cristã, por exemplo. O que importa é que haja uma expressão comunitária e organizada do serviço da caridade, frisa. No último ano, a renúncia quaresmal na diocese de angra rendeu 11 348,62 euros.