Especialistas em direitos humanos das Nações Unidas denunciaram a detenção de 17 jornalistas, no Irão, e apelaram à libertação imediata dos profissionais de comunicação detidos no país

Especialistas em direitos humanos das Nações Unidas denunciaram a detenção de 17 jornalistas, no Irão, e apelaram à libertação imediata dos profissionais de comunicação detidos no país
a recente onda de detenções de jornalistas, só por desempenharem a atividade profissional, é uma violação flagrante da lei internacional de direitos humanos, afirmaram os relatores da ONU, num comunicado em que condenaram a detenção recente de 17 profissionais de comunicação no Irão e denunciaram existência de mais mandados de captura que podem fazer aumentar o número de detidos. De acordo com os especialistas em direitos humanos, as detenções fazem parte de uma campanha mais abrangente para acabar com os jornalistas e os meios independentes no Irão, sob a acusação de colaborarem com meios estrangeiros “antirrevolucionários” e com organizações de direitos humanos. O direito de comunicar com organizações internacionais, incluindo as não governamentais, é um aspeto fundamental da liberdade de expressão, sublinharam os inspetores, lamentando que as detenções maciças sejam usadas como uma represália ao exercício da liberdade de expressão.