Como é habitual no início de cada ano, novas famílias de catequistas chegaram ao Centro Catequético do Guiúa, na diocese de Inhambane, Moçambique, para receberem formação religiosa, humana e profissional
Como é habitual no início de cada ano, novas famílias de catequistas chegaram ao Centro Catequético do Guiúa, na diocese de Inhambane, Moçambique, para receberem formação religiosa, humana e profissionalSão 14 as famílias vindas do norte, do centro e do sul de Moçambique. Os de mais longe são oriundos de Marrupa, da província nortenha do Niassa. Percorreram quase dois mil quilómetros, trazendo consigo os filhos, os seus parcos haveres e uma enorme vontade de aprender. Todos deixam as suas casas, as famílias alargadas, e assumem o propósito de se formarem como catequistas, futuros agentes de evangelização e dinamizadores do desenvolvimento humano e cristãos das suas comunidades. a formação integral dos catequistas é o principal objetivo do Centro Catequético do Guiúa. Formar cristãos apóstolos que sejam sinal da Igreja no ambiente em que vivem. Fundada em 1972, esta escola de catequistas orientada pelos Missionários da Consolata, já formou centenas de famílias de várias dioceses de Moçambique. Ontem, como hoje, os catequistas em Moçambique orientam a comunidade cristã local, são formadores de agentes de pastoral nas suas paróquias. É este o grande desafio destes homens e mulheres: um ano de formação e o compromisso com a sua Fé, a sua Igreja e a sua comunidade.