Os missionários da Consolata celebraram mais uma ordenação sacerdotal de um jovem coreano. Chama-se Kim Myeong-ho José, tem 39 anos, e é o quinto missionário da Consolata coreano
Os missionários da Consolata celebraram mais uma ordenação sacerdotal de um jovem coreano. Chama-se Kim Myeong-ho José, tem 39 anos, e é o quinto missionário da Consolata coreanoEsta é, certamente, a melhor prenda que podíamos ter no ano em que celebramos 25 anos de presença consolatina em terras sul-coreanas. Em breve, Kim Myeong-ho José partirá para a Colômbia, onde se encontra já um nosso missionário coreano. a celebração da ordenação sacerdotal teve lugar quarta-feira, 30 de janeiro, no pavilhão gimnodesportivo de Uijongbu, uma cidade localizada a norte da capital Seul. a diocese com o mesmo nome ocupa uma boa parte do território fronteiriço com a Coreia do Norte. Dado que o padre Kim José passou o último ano e meio na nossa comunidade de Tong-Du-chon, a qual se dedica à pastoral dos imigrantes estrangeiros que se encontram na Coreia de forma ilegal, era natural que a ordenação fosse em conjunto com os cinco diáconos da diocese. Sendo a nossa presença na diocese bastante recente (2007), quisemos desta forma dar-lhe a conhecer um pouco mais o nosso Instituto. O padre Kim José provém de uma das paróquias mais antigas da Coreia: a igreja paroquial de Suryu tem mais de 100 anos e será nela que ele irá celebrar a sua primeira missa. após alguns anos de inquietação vocacional, apaixonou-se pela missão e, depois de conhecer o Instituto Missionário da Consolata, iniciou os estudos filosóficos. Quatro anos depois, em 2005, partiu para Itália, onde estudou italiano e terminou o noviciado a 27 de agosto de 2006, com a primeira profissão. após estudar teologia em Roma, foi destinado à Mongólia onde iniciou o estágio missionário. Porém, um problema de saúde obrigou-o a regressar à Coreia. Sendo impossível realizar o sonho de trabalhar na Mongólia, apaixonou-se pela américa Latina enquanto vivia na nossa comunidade de Tong-Du-chon, onde se dedicou à pastoral dos imigrantes latino-americanos. O seu gosto pelas línguas levou-o a aprender espanhol para poder servir melhor estes imigrantes. Em 25 anos de presença na Coreia, estiveram conosco 16 jovens coreanos, seis dos quais são hoje missionários da Consolata: temos cinco sacerdotes e um seminarista, o qual está atualmente na argentina a fazer o seu estágio missionário. a Consolata de feições coreanas está presente em três continentes. Esperamos que mais jovens queiram juntar-se a estes seis missionários, de modo a podermos contribuir ainda mais para que a Igreja coreana, rica em vocações sacerdotais e religiosas, possa tornar-se cada vez mais missionária. De facto, a vocação religiosa e missionária é ainda pouco conhecida no ambiente eclesial local, mas aos poucos o interesse pela missão ad gentes vai aumentando. Um sinal deste aumento é o facto de alguns bispos estarem interessados em enviar sacerdotes para os quatro cantos do mundo. Mas como de momento não temos qualquer seminarista, devemos continuar a pedir ao dono da messe que mande mais operários, incluindo operários missionários da Consolata made in Korea.