«Crer implica adesão, acolhimento e obediência; é um ato pessoal, uma resposta livre» afirmou Bento XVI, explicando o primeiro artigo do Credo: «Creio em um só Deus»

«Crer implica adesão, acolhimento e obediência; é um ato pessoal, uma resposta livre» afirmou Bento XVI, explicando o primeiro artigo do Credo: «Creio em um só Deus»

O Papa, falando na audiência geral desta quarta-feira, 23 de janeiro, afirmou que dizer creio supõe um dom que nos é concedido e uma responsabilidade que aceitamos: é uma experiência de diálogo com Deus que, por amor, nos fala como amigos.como é que se pode escutar a sua voz? Pergunta o Pontífice: Fundamentalmente na Escritura, que nos fala de fé e nos narra uma história na qual o Senhor cumpre o seu projeto de redenção, através de pessoas que creem e confiam. Bento XVI apresentou largamente a figura de abraão que obedeceu à voz de Deus partindo para um lugar que devia receber em herança, e partiu sem saber para onde ia. E o Papa perguntou: Como é que responderíamos nós a um convite semelhante, uma vez que se trata de partir às escuras, sem saber para onde Deus o conduzia? É um caminho que requer uma obediência e uma confiança radicais, a que só a fé nos consente de aceder. Outra pergunta: Quando afirmamos Eu creio em Deus.como abraão, o que significa isso para nós? Significa, diz o Papa :Fio-me de ti; confio em Ti, Senhor. Não como alguém a que se recorre só nos momentos de dificuldade ou a quem se dedica algum tempo do dia ou da semana. (… ) significa basear sobre Ele a minha vida, deixar que a sua Palavra a oriente cada dia, nas opções concretas, sem perder nada de mim mesmo. O Papa recordou depois que na próxima sexta-feira, com a festa da Conversão de São Paulo, encerra-se a semana de oração pela unidade dos cristãos e formulou votos para que a oração ecuménica dos fiéis das várias igrejas e comunidades cristãs frutifique no ano da Fé com o aprofundamento do diálogo, a busca da verdade, o reconhecimento das tradições, e com gestos de reconciliação.