No leste da Síria, a população está a enfrentar baixas temperaturas, não tem combustível, e a água que existe não é suficiente. Para fazer face a esta situação, três bispos lançaram um pedido de ajuda. até à data, «nada foi feito»
No leste da Síria, a população está a enfrentar baixas temperaturas, não tem combustível, e a água que existe não é suficiente. Para fazer face a esta situação, três bispos lançaram um pedido de ajuda. até à data, «nada foi feito» a cidade de Hassaké, capital da Mesopotâmia (leste da Síria), encontra-se isolada do resto do mundo. a água é escassa, há apenas uma hora de eletricidade por dia, não existe combustível, e as temperaturas registadas são muito baixas. Dois meses depois de um pedido de ajuda lançado por três bispos da região, nada foi feito: ninguém cuida da população de Hassaké, que está a precisar urgentemente de ajuda humanitária, explicaram os prelados, citados pela agência Fides.

Jacques Behnan Hindo, bispo sírio-católico, e Matta Roham, bispo sírio-ortodoxo, estão a intensificar os contatos com outros líderes cristãos sírios, e com organizações humanitárias, mas as respostas que têm vindo a receber não estão a dar alento à população: é impossível levar ajudas aHassaké porque é perigoso demais, e não existem condições de segurança mínimas.

a população está abandonada a si mesma, referiu o padre Ibrahim, sacerdote cristão residente em Hassaké, acrescentado que todos os dias, às 15h00, há um toque que indica o recolher obrigatório. a partir daí, circulam grupos armados pelas ruas. Sucedem-se sequestros, por vezes com pedidos de resgate.