No último ano, uma instituição católica reforçou o apoio a refugiados. O montante distribuí­do representa um aumento superior a 100 por cento face ao ano anterior
No último ano, uma instituição católica reforçou o apoio a refugiados. O montante distribuí­do representa um aumento superior a 100 por cento face ao ano anterior Em 2012, a Fundação ajuda à Igreja que Sofre (aIS) distribuiu mais de 500 mil euros para ajuda de emergência nas regiões onde existem conflitos armados, guerras ou crises humanitárias. O montante representa um aumento superior a 100 por cento face a 2011, indica uma nota da organização católica.
a missão principal da Fundação aIS é a ajuda pastoral e a educação em todo o mundo, mas também a ajuda de emergência às pessoas que sofrem necessidade, independentemente da sua origem ou convicção religiosa, explicam os responsáveis da Fundação. O último ano teve a Síria como centro das atenções e foram também apoiados os refugiados sírios nos países vizinhos, Jordânia e Turquia.
De acordo com a aIS, o apoio destinou-se também às pessoas que tinham fugido do Iraque e se refugiaram na Síria e que, devido à guerra civil, tiveram de fugir novamente para o Líbano, onde as Irmãs do Bom Pastor as procuram ajudar com bens de primeira necessidade. Outro ponto da ajuda de emergência em 2012 foi o apoio aos refugiados do norte do Sudão que regressaram à sua pátria depois da independência do Sudão do Sul.
O terror esgotou as pessoas, na tentativa frustrada do Sudão impor a arabização e islamização do Sudão do Sul, estima-se que tenham morrido aproximadamente dois milhões de sudaneses; outros quatro milhões foram expulsos das suas terras, informa a organização dependente da Santa Sé. a aIS ajudou também milhares de refugiados, pessoas traumatizadas e sem teto na região do Kivu, no leste da República Democrática do Congo.