Grupo de homens armados atacou aldeia na zona do rio Tana, provocando pelo menos oito mortos e uma dezena de feridos. autoridades policiais não conseguem travar espiral de violência entre tribos rivais
Grupo de homens armados atacou aldeia na zona do rio Tana, provocando pelo menos oito mortos e uma dezena de feridos. autoridades policiais não conseguem travar espiral de violência entre tribos rivais Uma aldeia isolada de etnia Orma, na zona do rio Tana, no Quénia, foi atacada por um grupo de homens armados, pertencentes à comunidade Pokomo. Dos confrontos resultaram pelo menos oito vítimas mortais e uma dezena de feridos, que recebeu assistência no hospital de Malindi. Sentimo-nos impotentes perante esta espiral de violência que parece não querer acabar pois nem os reforços policiais enviados de Nairobi conseguem intervir, chegando ao local do factos quando a tragédia já se consumou. Pedimos-lhes que intervenham para prevenir os ataques e não que cheguem quando as pessoas já perderam a vida, afirmou Gure Golo, responsável da província a um jornal queniano. Em dezembro, um ataque semelhante entre as duas comunidades agropecuárias, que disputam o controlo das pastagens e pontos de água, havia causado 45 vítimas mortais. antes, em agosto e setembro, mais de uma centena de pessoas morreu numa série de ataques em várias localidades da região.