Depois de pedir explicações a soldados do exército congolês sobre a prisão de alguns pigmeus, um sacerdote comboniano foi preso e agredido pelos militares
Depois de pedir explicações a soldados do exército congolês sobre a prisão de alguns pigmeus, um sacerdote comboniano foi preso e agredido pelos militares Franco Laudani, sacerdote e missionário comboniano, foi preso e agredido por militares das Forças armadas da República Democrática do Congo (FaRDC), informa a Conferência Episcopal Congolesa (CEC). O missionário foi alvo de agressões depois de solicitar explicações aos soldados, a propósito da prisão de alguns pigmeus. Mais tarde, o sacerdote acabou por ser libertado. De acordo com a CEC, o ataque de que o missionário comboniano foi alvo aconteceu na última semana, na diocese de Wamba, uma província oriental da República Democrática do Congo. À agência Fides, responsáveis pela Casa Geral do Missionários Combonianos, confirmaram as ocorrências, e explicaram que Franco Laudani trabalhava há vários anos com os pigmeus, uma população frequentemente vítima de abusos e preconceitos, composta por aproximadamente 40 mil pessoas, presentes em quase todas as 17 paróquias da diocese.