O gabinete das Nações Unidas de ajuda humanitária manifestou sérias preocupações com a proteção de civis, num momento em que há relatos de saques e violência na República Centro-africana, onde um grupo rebelde armado ameaçou marchar sobre a capital
O gabinete das Nações Unidas de ajuda humanitária manifestou sérias preocupações com a proteção de civis, num momento em que há relatos de saques e violência na República Centro-africana, onde um grupo rebelde armado ameaçou marchar sobre a capital a proteção de civis está a preocupar seriamente as Nações Unidas, depois de repetidos alertas nas últimas semanas, reforçados esta quinta-feira. após os recentes ataques a várias cidades do nordeste da República Centro-africana por uma aliança rebelde conhecida como Seleka, esta teria parado o seu avanço sobre a capital, Bangui, esta semana, concordando em iniciar negociações de paz, com representantes de ambas as partes numa reunião a ter lugar na capital do Gabão, Libreville. Estima-se que 316 mil pessoas vivam nas áreas afetadas e cerca de 700 mil pessoas em Bangui estejam em risco com mais uma escalada no combate, avisou o gabinete das Nações Unidas para a Coordenação de assuntos Humanitários (OCHa), num relatório sobre a situação no país. Há relatos de pessoas que fogem das suas casas para a segurança de outras regiões, incluindo Bangui, e em torno de Ndélé, onde os combates eclodiram inicialmente, mas também atravessando as fronteiras com a República Democrática do Congo e os Camarões, rematou o OCHa.