Na tarde deste sábado, 29 de dezembro, Bento XVI presidiu a um momento de oração, na Praça de São Pedro, com os 40. 000 participantes no Encontro Europeu de Jovens de Taizé

Na tarde deste sábado, 29 de dezembro, Bento XVI presidiu a um momento de oração, na Praça de São Pedro, com os 40. 000 participantes no Encontro Europeu de Jovens de Taizé

Recordando que é a quarta vez que se celebra um encontro destes em Roma, Bento XVI repetiu as palavras de João Paulo II no 3º encontro, em 1987: O Papa sente-se profundamente comprometido convosco nesta peregrinação da confiança sobre a terra Também eu sou chamado a ser um peregrino da confiança em nome de Cristo. Lembrou depois que foi há pouco mais de 70 anos que o Irmão Roger deu vida à comunidade de Taizé que reúne milhares de jovens de todo o mundo, na procura de um sentido para as suas vidas. Jovens que os Irmãos de Taizé acolhem na sua oração, oferecendo-lhes a oportunidade de fazer experiência de uma relação pessoal com Deus. O Papa chamou ao fundador da comunidade de Taizé testemunha infatigável do Evangelho de paz e de reconciliação, animado pelo fogo de um ecumenismo de santidade e encorajou os jovens presentes no encontro a serem na sociedade portadores da comunhão. Não há coisa mais bela e mais exaltante do que ter fé e amar a Deus e aos outros, prosseguiu Bento XVI , exortando os jovens a aproveitarem nestes dias sobretudo os largos tempos de silêncio que têm um lugar central nas vossas orações comunitárias, após a escuta da Palavra de Deus. Pediu depois aos jovens que lá onde falta a luz sejam portadores de luz em vista de uma distribuição mais equitativa dos bens da terra, no compromisso pela justiça e por uma nova solidariedade humana. O encontro dos jovens prolonga-se até ao dia 2 de janeiro. Haverá nos próximos dias workshops sobre temas relativos à fé, à vida interior, ao empenho social e criação artística, com visitas às catacumbas e oração comunitária nas basílicas e grandes igrejas do centro da cidade.