Sequestro de trabalhadores e ataques a comboios são as marcas do banditismo que actua na região pondo em causa o auxí­lio a quase 100 mil pessoas
Sequestro de trabalhadores e ataques a comboios são as marcas do banditismo que actua na região pondo em causa o auxí­lio a quase 100 mil pessoasO banditismo crescente, sequestros de trabalhadores e ataques a comboios humanitários no Leste do Chade estão a ameaçar a ajuda crucial a quase 100 mil pessoas, muitas delas refugiadas ou deslocadas internamente, divulgaram esta terça-feira as Nações Unidas.
No Leste do Chade, cerca de 70 organizações humanitárias estão a auxiliar 256. 700 refugiados sudaneses do conflito do Darfur, 168 mil deslocados do Chade e cerca de 150 mil pessoas em aldeias de acolhimento. agora, várias organizações suspenderam temporariamente ou reduziram as suas actividades devido à insegurança nas áreas de assoungha e Dar Sila.
O sequestro de trabalhadores humanitários é um elemento novo nas operações de bandidos no Leste do Chade, no Darfur e no Norte da República Centro-africana, fez notar o Gabinete das Nações Unidas para a Coordenação dos assuntos Humanitários (OCHa), ao recordar o recente sequestro de um membro da equipa internacional da Cruz Vermelha, os ataques a duas organizações não-governamentais e o rapto de dois cidadãos franceses.