Saudações amigas deste lado do mundo, da terra do sol nascente! Já passaram dois meses e meio desde a minha chegada a este país interessante. O tempo parece que foi bem menor
Saudações amigas deste lado do mundo, da terra do sol nascente! Já passaram dois meses e meio desde a minha chegada a este país interessante. O tempo parece que foi bem menorDesde o início fui muito bem recebido, seja pela minha comunidade seja pelos amigos dos Missionários da Consolata. Os coreanos são um povo muito acolhedor e atento. Encontrei novidades em todos os sentidos. a começar pela gastronomia, desde um prato quase único português, aqui pode encontrar-se uma refeição de arroz com uma quantidade de pratinhos cheios de verdura de todas as cores e sabores. Os pratos têm um ingrediente comum, uma espécie de pimenta vermelha, parecida com a malagueta. Usa-se praticamente em todos os pratos. até numa simples sopa, que acompanha todas as refeições, podemos encontrar o picante. Para não falar na técnica de comer com pauzinhos, mas nada que a lei da sobrevivência não ajude.
Tenho o tempo bastante preenchido. Logo que cheguei, começamos com um retiro espiritual de uma semana que reuniu os Missionários da Consolata, da Coreia e da crescente missão da Mongólia. Logo de seguida, iniciei a escola de coreano.comecei a tomar consciência da dificuldade e exigência desta língua. Há que decorar todas as palavras. É bastante fácil aprender a ler e escrever. Poderei mesmo dizer que em duas semanas se consegue. Mas não se entende o significado do que se lê e escreve.
Quem hoje começa a aprender, beneficia de uma ajuda. Em consequência do mundial de futebol de 2002, na Coreia e Japão, as indicações das estradas, do metro e de outros locais públicos estão escritas em inglês. aliás, o próprio coreano assimilou muitas palavras inglesas após a segunda guerra mundial. a permanência dos americanos na Coreia e a sua constante abertura ao mundo ocidental também influenciam. Naturalmente as palavras inglesas são transcritas para coreano e nem sempre se reconhecem à primeira vista. Já para não falar da dificuldade do ‘R’ e ‘L’, assim como dos ‘F’ que aqui são ‘P’, entre outras coisas.
É necessário muito trabalho e dedicação para aprender esta língua para poder fazer um bom trabalho posteriormente. Nestes dias acabei a primeira fase do estudo da língua e vou continuar o estudo na universidade católica bem pertinho de casa. Estou muito contente com este novo desafio que está apenas a começar. até porque sempre gostei desta cultura oriental.