+ infoAcontecer
Portugal
Portugal quer mais cooperação no setor das pescas
Texto F.P. | Foto DR | 20/11/2019 | 17:37
Ministro do Mar considera esta uma atividade muito importante para os países lusófonos e espera alcançar uma maior cooperação para concertação de políticas de desenvolvimento sustentável
imagem
O combate à pesca ilegal, a diminuição dos desperdícios e a cooperação com os países lusófonos são alguns dos temas que o Ministro do Mar português vai debater no Simpósio Internacional sobre Sustentabilidade Pesqueira, que decorre em Roma, Itália, até quinta-feira, 21 de novembro, por iniciativa da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO).

«Um dos grandes desafios é combater o estigma das pescarias ilegais, não reportadas e não regulamentadas, que ainda representam uma grande percentagem. Por outro, diminuir aquilo que são as perdas nas pescarias e as perdas com desperdícios. Se de fato queremos contar com o mar como fornecedor de recursos alimentares também temos que geri-lo melhor no âmbito dos novos modelos de economia circular, de uma gestão mais sustentável de recursos com melhores modelos de avaliação e melhor predição», afirmou Ricardo Serrão Santos à ONU News.

Segundo o ministro, o setor pesqueiro tem muita importância para os países lusófonos e para as suas áreas costeiras, pelo que é fundamental haver uma boa articulação e cooperação entre governos. «Na próxima semana vamos ter uma reunião de ministros das pastas relacionadas com o mar e com as pescas em Cabo Verde, no âmbito da Semana dos Oceanos que ali decorre. A pesca é uma questão muito importante nos países lusófonos e espero que desenvolvamos uma maior cooperação, no sentido de alinharmos políticas que estejam também alinhadas com a década para o desenvolvimento sustentável, não só da pesca como do processamento do pescado, da segurança do trabalho dos pescadores e da troca de valores», adiantou.
Qual é a sua opinião?
Login
Email: Palavra-chave:
Esqueceu-se da sua palavra chave?
Registar
Comentário sujeito a aprovação.