+ infoAcontecer
Portugal
Assembleia Plenária da Conferência Episcopal Portuguesa
Jornada Mundial da Juventude pode custar mais de 50 milhões
Texto F.P. | Foto Ana Paula | 14/11/2019 | 16:06
Encontro mundial nunca antes visto em Portugal obriga a um grande esforço logístico, quer para a Igreja, quer para as autoridades civis, afirma o cardeal-patriarca de Lisboa
imagem
A organização da Jornada Mundial da Junventude (JMJ) em Portugal, no verão de 2022, vai obrigar a um grande esforço logístico e os custos totais poderão ultrapassar os «50 milhões de euros», revelou o presidente da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP), esta quinta-feira, 14 de novembro, em Fátima.

«Os números que nos chegam de outros sítios que organizaram as jornadas é tudo para cima de 50 milhões. Claro que uma boa parte, esperamos até que muito boa parte, será reembolsada pelas inscrições, mas é preciso que se promovam as inscrições, até para que aqueles que as pagam possam ajudar os que têm mais dificuldade em pagar», adiantou Manuel Clemente, no final da Assembleia Plenária da CEP.

Estando prevista a participação de cerca dois milhões de jovens de todo o mundo, o cardeal-patriarca de Lisboa lembrou que este «não é só um acontecimento religioso», mas «um acontecimento social como nunca houve em Portugal». Nesse sentido, foi criada uma Fundação, para angariar e administrar «escrupulosamente» os fundos envolvidos na organização da JMJ.

A candidatura portuguesa à organização das jornadas contou com concordância prévia e «empenhada» do Estado e das autarquias de Lisboa e Loures, os concelhos que serão o palco principal do evento, e a expectativa é que o impacto de «reabilitação» na zona do Parque Tejo seja equivalente ao da `Expo 98´, «em termos de desenvolvimento futuro e de benefício para as populações», sublinhou Manuel Clemente.

No domingo de Ramos de 2020, vão ser entregues os Símbolos das Jornadas (cruz e ícone) pelo Papa Francisco a uma representação portuguesa com 200 a 300 pessoas de todas as dioceses, que depois irão peregrinar pelo território nacional e, eventualmente, a algumas dioceses espanholas e africanas.
Qual é a sua opinião?
Login
Email: Palavra-chave:
Esqueceu-se da sua palavra chave?
Registar
Comentário sujeito a aprovação.