+ infoAcontecer
Fátima
Milhares de motards fazem consagração a Nossa Senhora
Texto J.B. | Foto Santuário de Fátima | 01/10/2018 | 12:16
Mensagem do cardeal António Marto aos 150 mil motards que se deslocaram a Fátima lembra aos percorrem as estradas que o «horizonte sem fim» é a «vida boa e bela com Deus e com os irmãos»
imagem

Cerca de 150 mil motards deslocaram-se à Cova da Iria no último domingo, 30 de setembro, para a cerimónia da bênção dos capacetes, que «ocorre anualmente» desde 2014, «sempre com um fim solidário», assinalam os serviços de comunicação do Santuário de Fátima A celebração da bênção foi presidida por Vítor Coutinho, sacerdote e vice-reitor do templo mariano, que saudou todos os fiéis, convidando-os a recordar todos os motards que faleceram nas estradas.

Também António Marto, bispo na diocese de Leiria-Fátima, deixou uma mensagem aos motards: «Nossa Senhora de Fátima vos abençoe, vos proteja e esteja sempre ao longo dos vossos caminhos. Seja ela estrada segura que vos leva ao horizonte sem fim que é a vida boa e bela com Deus e com os irmãos». A cerimónia encerrou com a consagração a Nossa Senhora dos 150 mil motards.

Além dos motociclistas, marcaram presença na Eucaristia dominical no recinto de oração 16 grupos de peregrinos, provenientes de Espanha, Portugal, Itália e Irlanda. A celebração contou ainda com a participação dos fiéis que integraram a 63ª Peregrinação Nacional do Rosário e da Família Dominicana.

Coube a Gilberto Canavarro, bispo emérito da diocese de Setúbal, presidir à celebração. «Precisamos compreender que cada momento na nossa vida é um dom de Deus, precisamos entender isso para Lhe poder abrir o nosso coração, e hoje somos desafiados a ter o olhar grandioso de Jesus que sabe apreciar o que é bom e justo, mesmo que venha do inimigo, a ter uma atitude que vá ao encontro das crianças e dos pobres, e que não sejamos uma barreira que impede de aceder a Jesus», referiu o prelado.

Gilberto Canavarro chamou a atenção dos presentes para o facto de muitas vezes os cristãos compactuarem com os casos de marginalização, e aceitarem que «há gente que vive na pobreza», sem «coragem de ir ao seu encontro». O bispo emérito de Setúbal lembrou que o Papa Francisco convida cada um «a ir ao encontro dessas pessoas marginalizadas e a trazê-las para o centro da Igreja».

Qual é a sua opinião?
Login
Email: Palavra-chave:
Esqueceu-se da sua palavra chave?
Registar
Comentário sujeito a aprovação.