+ infoAcontecer
Fátima
Vida feliz é uma «vida dada»
Texto J.B. | Foto Santuário de Fátima | 17/09/2018 | 12:05
«Jesus desmascara a grande ilusão de pensarmos que conseguimos a nossa felicidade fechando-nos em nós», demonstrou aos peregrinos o reitor do Santuário de Fátima, num dia em que o templo mariano acolheu três peregrinações
imagem

Renunciar a si mesmo «significa renunciar ao egoísmo [e] à autossuficiência», para fazer da vida um «dom a Deus e aos outros», explicou Carlos Cabecinhas, sacerdote e reitor do Santuário de Fátima, durante a Missa dominical a que presidiu no recinto de oração, dia 16 de setembro.

 

Carlos Cabecinhas destacou que através das suas palavras, «Jesus desmascara a grande ilusão de pensarmos que conseguimos a nossa felicidade fechando-nos em nós». «É só a vida entregue que faz sentido. A vida dada é que é uma vida feliz», sublinhou o sacerdote.

 

«Não se trata de grandes atos heróicos, mas das pequenas escolhas, gestos e atitudes do dia-a-dia... Os pequenos nadas que demonstram a vitalidade da nossa fé. É aí que se vive a renúncia a si mesmo e que se perde a vida, isto é, que se dá a vida para que ela ganhe pleno sentido», esclareceu o responsável.

 

O presidente da celebração apontou os três pequenos videntes de Fátima como exemplo de entrega ao próximo. «Os pastorinhos tinham especial preocupação em fazer sacrifícios, contudo não os procuravam por si mesmos, mas pelos pecadores, como ato de amor, para consolar a Jesus como ato de reparação. Não tenhamos dúvidas: quem ama, sacrifica-se… Quem ama, renuncia a si mesmo, porque procura o bem daqueles que ama», explicou, citado pelos serviços de comunicação do Santuário de Fátima.

 

A procissão inicial da Eucaristia contou com estandartes e bandeiras de várias proveniências. Fizeram-se representar peregrinos de paróquias e dioceses nacionais e internacionais, como Espanha, França, Luxemburgo, Itália, Malta, Polónia, Eslováquia, Irlanda, Reino Unido, Brasil, México, Estados Unidos da América, Quénia, Filipinas, Índia e Malásia.

 

Entre a assembleia encontravam-se participantes da Peregrinação Nacional dos Dadores de Sangue, da Peregrinação Nacional da Fundação Pontifícia Ajuda à Igreja que Sofre, e da Peregrinação Nacional da Comunidade Surda, reunindo esta última «cerca de 150 peregrinos».

Qual é a sua opinião?
Login
Email: Palavra-chave:
Esqueceu-se da sua palavra chave?
Registar
Comentário sujeito a aprovação.