+ infoAcontecer
Fátima
Faleceu o padre Artur Marques
Texto Albino Brás | Foto DR | 01/07/2018 | 12:37
Missionário da Consolata, de 81 anos, não resistiu aos ferimentos sofridos num acidente de viação, em Moçambique. Faleceu no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, este sábado, 30 de junho (notícia atualizada)
imagem
A Missa de corpo presente do padre Artur Marques realiza-se esta terça-feira, 3 de julho, às 16h00, na Capela de Souto de Cima, freguesia da Caranguejeira, concelho de Leiria. O corpo deverá chegar ao final da manhã e ficará em câmara ardente até ao início da celebração religiosa, sendo depois sepultado no cemitério local.

O padre Artur Marques estava internado no Hospital de Santa Maria, em Lisboa, para onde fora transferido depois de ter sofrido um acidente de viação em Moçambique que lhe provocou um traumatismo craniano e, depois, o coma. O acidente ocorreu no dia 22 de janeiro, próximo de Quissico, distrito de Inhambane. Acompanhava-o o padre André Brevi, que também ficou ferido, mas sem gravidade. Em estado delicado, foi repatriado para Portugal onde chegou com acompanhamento médico no passado dia 8 de março e no dia 30 de março, Sexta-Feira Santa, dia do seu 55º aniversário de sacerdócio, saiu do coma. Ali continuou internado e recuperava muito lentamente das sequelas deixadas pelo acidente. 

O padre Artur Marques nasceu na Caranguejeira, concelho de Leiria. Tinha 81 anos, dos quais 60 de profissão religiosa e 55 de sacerdócio. Chegou a Moçambique em 1965 onde exerceu a sua missão em muitas áreas e lugares, como pároco, formador e até como responsável pela Salina de Batanhe, explorada pelo Instituto Missionário da Consolata. Inhambane, Nampula, Mambone e Maputo, foram algumas das missões onde trabalhou. Foi Superior Regional de Moçambique por dois mandatos entre 2002 e 2008. Os últimos anos foram dedicados à paróquia de Nova Mambone, onde estava desde 2010. 

Em 2014 esteve em Portugal, em ano sabático, e dedicou um período desse tempo (de 26 janeiro a 4 de agosto) à comunidade do Bairro do Zambujal, na Amadora, onde deixou muito boas recordações.
notícias relacionadas
Qual é a sua opinião?
Login
Email: Palavra-chave:
Esqueceu-se da sua palavra chave?
Registar
Comentário sujeito a aprovação.