+ infoAcontecer
Portugal
Lisboa
Peça sobre escravatura infantil estreia no Teatro da Trindade
Texto J.B. | 10/01/2018 | 08:42
A ação passa-se numa herdade com trabalhadores clandestinos. Depois de um menor perder a vida, os restantes trabalhadores são mortos para que não se conheça a situação que poderia penalizar o proprietário do espaço, que deseja ascender a um cargo político
imagem

A peça «150 milhões de escravos» estreia no Teatro da Trindade, em Lisboa, esta quinta-feira, 11 de janeiro. Criada pela atriz e encenadora Maria João Luís, a peça apresenta uma «dura realidade, de que todos acabam por ser cúmplices, mesmo sem que se apercebam». «Sou cúmplice, porque sou aquela que compra a camisola em que miúdos trabalharam e que compra chocolate, cuja apanha de cacau é quase toda feita por miúdos», disse a atriz, em declarações à agência Lusa.

 

A produção «150 milhões de escravos» centra-se numa herdade com trabalhadores clandestinos, onde morre um trabalhador menor de idade. Com o dono da herdade a ter aspirações políticas e com o receio das consequências do incidente, todos os trabalhadores são mortos, para que não se conheça a situação. Segundo Maria João Luís, concretizar este trabalho foi uma tarefa muito árdua, porque todos os dias os atores diziam – «Eu não posso estar a dizer isto. Eu não sou isto».

 

A peça conta com atores como Beatriz Godinho, Catarina Rôlo Salgueiro, Emanuel Arada, Ivo Alexandre, João Saboga, José Leite, Hélder Agapito, Lígia Soares e Teresa Sobral. A cenografia está a cargo de Ângela Rocha, o vídeo de Inês Oliveira, o movimento de Paula Careto, e o desenho de som e de luz de José Peixoto e Pedro Domingos, respetivamente.

 

A obra foi produzida pelo Teatro da Trindade Inatel e pelo Teatro da Terra, em parceria com a Câmara Municipal de Ponte de Sor e o Museu do Neorrealismo. A peça estará em cena a partir de quinta-feira, 11, podendo ser vista até ao dia 28 de janeiro, com espetáculos de quarta-feira a sábado, às 21h30, e aos domingos, às 16h30.

Qual é a sua opinião?
Login
Email: Palavra-chave:
Esqueceu-se da sua palavra chave?
Registar
Comentário sujeito a aprovação.