+ infoAcontecer
Mundo
UNICEF
Mais ameaças às crianças refugiadas
Texto Miguel Marujo | Foto Lusa | 20/03/2017 | 16:28
Um ano após o encerramento das fronteiras dos Balcãs e da Declaração UE-Turquia, que visavam impedir os fluxos migratórios de massa, as crianças refugiadas e os migrantes enfrentam maiores riscos de deportação, detenção, exploração e privação
imagem
A UNICEF advertiu para o facto de que, agora que passa um ano do encerramento das fronteiras dos Balcãs e da Declaração União Europeia-Turquia, com o objetivo de de travar os fluxos migratórios de massa, agravaram-se os riscos para as crianças refugiadas e os migrantes.

«Embora tenha havido uma grande diminuição no número total de crianças em movimento para a Europa desde março passado, houve um aumento nas ameaças e angústia para as crianças refugiadas e os migrantes suportarem», disse Afshan Khan, diretor regional da UNICEF e coordenador especial para a crise dos refugiados e dos migrantes na Europa.

Os trabalhadores da UNICEF na Grécia relatam profundos níveis de angústia e de frustração entre as crianças e as suas famílias, incluindo uma criança com apenas oito anos que se infligiu uma autoagressão.

Apesar da recente melhoria das condições de vida de algumas crianças desacompanhadas em abrigos, estas sofrem de sofrimento psicossocial, com altos níveis de ansiedade, agressão e violência e demonstram comportamentos de alto risco como consumo de drogas e prostituição.

A guerra, a destruição, a morte de familiares e uma viagem perigosa agravada pelas condições de vida precárias nos campos em redor da Grécia ou os longos procedimentos de registo e asilo, podem desencadear transtornos de stress pós-traumático.
Qual é a sua opinião?
Login
Email: Palavra-chave:
Esqueceu-se da sua palavra chave?
Registar
Comentário sujeito a aprovação.