+ infoAcontecer
Portugal
Coimbra
«Precisamos de um novo ardor na fé e de um novo empenho na caridade»
Texto Lucília Oliveira | Foto Ana Paula | 27/02/2012 | 12:27
Bispo da diocese de Coimbra afirma que «por falta de fé, estamos a perder o dinamismo da presença de Deus em nós e no mundo»
imagem
A Quaresma é um tempo de aprofundamento da fé, de renovação interior e de caridade para com o próximo, afirma Virgílio Antunes. Um tempo que coloca cada um dos fiéis em «comunhão mais profunda com Deus e com os irmãos». E adverte: «Nenhuma Quaresma pode ser igual às outras».

O prelado realça que há uma «grande necessidade de enraizar a fé que professamos» uma vez que «Jesus Cristo e o Seu Evangelho estão a ser relegados para segundo plano nalguns casos, e ignorados noutros». Esta é a Quaresma da «renovação da fé» em cada cristão, em cada família, na comunidade paroquial e diocesana.

Como fazê-lo? O bispo de Coimbra aponta algumas possibilidades: participar na celebração da Eucaristia, fazer um momento mais longo de oração silenciosa ou de meditação, fazer a leitura orante da Bíblia, particularmente do Evangelho, rezar com a família, celebrar o sacramento da reconciliação.

«Não há fé cristã sem compromisso com os outros e que não se manifeste em ações de amor», defende. Aos fiéis pede que cada um se comprometa a um programa de renúncia ao supérfluo em favor dos pobres. «Individualmente ou em família, temos junto a nós tantos casos de necessidades pontuais aos quais deveremos atender, sobretudo os idosos, os doentes, os pobres e os que vivem na solidão».

Parte do resultado da renúncia quaresmal que os cristãos entregam à diocese de Coimbra será, mais uma vez, para o Fundo Social Solidário, para a ajuda de «pessoas e famílias em situação de necessidade extrema e urgente». A outra parte destina-se a «ajudar alguns setores deficitários da vida da Igreja».
Qual é a sua opinião?
Login
Email: Palavra-chave:
Esqueceu-se da sua palavra chave?
Registar
Comentário sujeito a aprovação.